Hyundai HB20 x Chevrolet Sonic x Citroën C3 x Peugeot 208 x Ford New Fiesta

Webnode

Atualizada, nossa nova safra de hatches compactos acerta o passo com os mercados mais desenvolvidos do mundo

Como se de repente o segmento dos hatches compactos, digamos, mais premium ganhasse uma conexão de altíssima velocidade, os carros destas páginas mostram que, pelo menos na categoria, a defasagem entre os carros que rodam aqui e lá fora está em vias de ser deletada. Aqui estão cinco modelos de classe mundial, apresentados em versões topo de linha, com o mesmo nível de equipamentos de seus pares comercializados nos mercados mais exigentes. Entre outros recursos, trazem câmbio automático, item até há pouco inimaginável no segmento. Ford e Peugeot estimam que as versões automáticas responderão por 25% das vendas. Segundo as fábricas, ficou na memória a ideia de que o sonho brasileiro era um modelo 1.0 com ar-condicionado e direção hidráulica. Podemos adiantar uma coisa: nesta categoria, ninguém está para brincadeira. Aqui, os fracos não teriam vez.



5º Hyundai HB20 Premium

Você pode até questionar a presença do HB20 neste comparativo. Afinal, ele foi feito para brigar com Gol e companhia. Mas, com uma ampla gama de versões (e preços), o Hyundai consegue estar nos extremos da categoria. E é visto como concorrente por boa parte das outras marcas. Ele estreou em outubro de 2012 e, em fevereiro deste ano, já era o quarto carro mais vendido do país. Apresentado com nove configurações diferentes, que vão da 1.0 manual básica à 1.6 automática Premium, o Hyundai é forte nas versões de entrada e intermediárias (com maior volume de vendas), mas sofre diante das topo de linha dos rivais. Ironicamente, os rivais superam o Hyundai nos aspectos em que ele se sobressai quando alinhado nas faixas de preço inferiores: conteúdo e acabamento - comparado a oito hatches 1.0, na edição de dezembro de 2012, o HB20 levou a melhor.

Apesar do nome Premium, o HB20 tem características típicas de carro básico. Seus limpadores de para-brisa são convencionais, enquanto os outros hatches do comparativo exibem palhetas flat-blade.Seu ar-condicionado é manual e o câmbio automático carece de recursos como modo esportivo ou trocas sequenciais. O painel é inteiramente de plástico e o tecido dos bancos é simples. A seu favor pesa o fato de custar 49 795 reais, enquanto o 208, o segundo mais barato da turma, sai por 54 490 reais (uma diferença de 4 695 reais). Mas isso não o salva entre os rivais automáticos, uma vez que Sonic e New Fiesta possuem versões com esse câmbio mais em conta, ainda superiores em acabamento e conteúdo. O Sonic tem a versão LT, que, com câmbio automático opcional, custa 50 800 reais, e o New Fiesta conta com a opção SE por 48 990 reais.

PONTO ALTO

É o que oferece maior espaço interno nos bancos dianteiros.

DIREÇÃO, FREIO E SUSPENSÃO 
HB20 freia bem. Mas tem direção leve demais e suspensão muito tolerante.
HHH

MOTOR E CÂMBIO
O bom motor não permitiu que o câmbio com apenas quatro marchas atrapalhasse seu rendimento.
HHHH

CARROCERIA 
O design e a qualidade construtiva são os pontos fortes do HB.
HHHH

VIDA A BORDO
Mesmo na versão Premium, HB20 tem padrão de acabamento básico.
HH

SEGURANÇA
Tem ABS, duplo airbag e Isofix.
HHH

SEU BOLSO
Menos equipado, custa menos que os concorrentes. Mas tem garantia maior e seguro na média do segmento.
HHH

 

GALERIA DE FOTOS



4º Chevrolet Sonic LTZ

Ao contrário do design do Hyundai, o do Chevrolet Sonic não chega a ser um sucesso de público. Apesar de soluções originais, como os faróis e as lanternas traseiras com lentes individuais, alguns detalhes são de gosto questionável, como a maçaneta embutida na coluna da porta traseira. Internamente, ele é bonito. O painel de instrumentos é pequeno, mas completo. Com design inspirado em motocicletas, dá ares de modernidade à cabine, que nos demais aspectos segue o padrão dos Chevrolet concebidos pelo centro de desenvolvimento da GM da Coreia do Sul, como o sedã Cruze e o SUV Captiva. 

No que diz respeito ao acabamento, o Sonic é superior ao HB20. Seu painel tem boa aparência, é agradável ao toque e conta com apliques metálicos no console. Os bancos são de couro. E, entre os equipamentos, o Sonic traz câmbio automático de seis marchas (com trocas no modo manual por meio de tecla +/- na alavanca), piloto automático e rodas de liga leve de aro 16.

Na pista de testes, o Sonic também demonstrou comportamento melhor que o do rival, graças a sua boa dirigibilidade, com maior equilíbrio em curvas, e à direção mais precisa. Entre os cinco hatches, o HB20 foi o que apresentou maior tendência a sair de frente nas curvas. No que diz respeito à suspensão, de modo geral, parece que as fábricas ajustaram seus carros seguindo o mesmo manual de instruções, que privilegia o conforto. Nas medições, o Sonic apresentou rendimento mediano, com desempenho e consumo melhores que os conseguidos por C3 e 208, mas piores que os de HB20 e New Fiesta. Nas provas de frenagem, ele foi o que se saiu melhor nas passagens de 120 km/h a 0.

PONTO ALTO

O som grave do motor, que convida o motorista a acelerar.

DIREÇÃO, FREIO E SUSPENSÃO
Sistemas privilegiam o conforto, sem abrir mão da boa dirigibilidade.
HHHH

MOTOR E CÂMBIO
Na média do segmento, desempenho e consumo não empolgam.
HHH

CARROCERIA
O design divide opiniões. Mas sua construção é de boa qualidade.
HHHH

VIDA A BORDO
O espaço interno é ligeiramente maior para quem viaja no banco traseiro.
HHH

SEGURANÇA
Vem com ABS, duplo airbag, Isofix e sensor de estacionamento.
HHH

SEU BOLSO
Tem preço de venda e custo de seguro na média do mercado.
HHH

 

GALERIA DE FOTOS



3º Citroën C3 Exclusive

A PSA trabalha bem a identidade de suas marcas, Citroën e Peugeot. Mas este comparativo deixou claro que C3 e 208 são parentes próximos. A semelhança não é visual, mas na parte mecânica, uma vez que os dois compartilham motor e câmbio. Por outro lado, há um consistente conceito por trás deles. Embora cada um tenha seu estilo próprio, nota-se que ambos foram desenvolvidos com ênfase na qualidade de vida a bordo. Com esse objetivo, C3 e 208 ganharam acabamentos bem trabalhados e com atenção aos detalhes, uso de materiais selecionados e farto conteúdo de equipamentos voltados para o conforto. Não foi por acaso que os dois terminaram o comparativo juntos, em terceiro e segundo lugares. Na pista de testes, eles andaram emparelhados, com exatamente o mesmo tempo nas acelerações de 0 a 100 km/h e as mesmas médias de consumo. O C3 foi ligeiramente melhor nas retomadas e nas frenagens. Mas até nas medições dos níveis de ruído interno houve empate técnico entre os dois.

Em relação aos equipamentos, ambos trazem vidros elétricos nas quatro portas (com sistema anti-esmagamento na do motorista), luz de posição diurna com leds, comandos de troca de marchas no volante - três itens ausentes nos rivais -, sistema de partida a frio (sem tanquinho) e sensores de chuva, luz e estacionamento - presentes apenas no Ford Fiesta. Com exclusividade, o C3 tem o para-brisa panorâmico Zenith, que amplia o ângulo de visão médio de 30 para 80 graus, e uma tomada 12 V para quem viaja no banco de trás. Mas o 208 também tem suas particularidades, que mostraremos a seguir, assim como a razão de ele ter desempatado a disputa familiar a seu favor.

PONTO ALTO

Ambiente criado na cabine, com capricho na seleção dos materiais.

DIREÇÃO, FREIO E SUSPENSÃO 
Direção elétrica é leve, mas pneus verdes são duros. Foi o melhor de 80 km/h a 0.
HHHH

MOTOR E CÂMBIO
O câmbio de quatro marchas atrapalhou o rendimento do carro na pista de testes.
HHH

CARROCERIA
Com estilo moderno e manufatura bem cuidada, o C3 é um autêntico hacth premium.
HHHH

VIDA A BORDO
C3 tem materiais de qualidade, no acabamento, e é bem equipado.
HHHH

SEGURANÇA
ABS, duplo airbag, vidros com sistema antiesmagamento e sensores de luz, de estacionamento e de chuva.
HHHH

SEU BOLSO
É um pouco mais caro que os rivais. Tem três anos de garantia.
HHH

 

GALERIA DE FOTOS



2º Peugeot 208 Griffe

O Peugeot superou o Citroën - e chegou a ameaçar o primeiro lugar do Ford New Fiesta - porque é dono do design mais ousado e original entre os hatches. Por fora, o destaque são os faróis e as lanternas de formas incomuns. Mas chamam atenção a grade dianteira e o contorno cromado da área envidraçada. Por dentro, o painel surpreende pela posição dos instrumentos, a tela multimídia no alto do console e a faixa horizontal com pintura metálica. O volante também é digno de nota. Mas o 208 não é só bonito e bem-acabado, qualidades que o C3 também tem. Sua posição de dirigir, que foge aos padrões convencionais, com os instrumentos acima do volante, agrada a maioria das pessoas (algumas podem ter dificuldade para enxergar os instrumentos). Seus bancos são mais confortáveis e sua lista de equipamentos exclusivos é mais interessante, com ar-condicionado digital bizona, teto solar panorâmico (com 0,7 m² de área), GPS e cintos de segurança de três pontos para todos os ocupantes, inclusive o que viaja na posição central, no banco traseiro.

O que prejudicou o Peugeot neste comparativo de hatches premium foi a ausência de sistemas de segurança, com o controle de estabilidade oferecido pelo New Fiesta, e o rendimento na pista de testes, abaixo da média dos rivais. Empatado com o C3, o 208 foi mais lento e gastou mais que os outros. E o vilão para esse resultado foi o câmbio de apenas quatro marchas, enquanto New Fiesta e Sonic contam com caixas de seis marchas. O HB20 também tem quatro marchas, mas ele é mais leve que os demais e seu motor é potente. Enquanto o motor da PSA tem 122 cv, o da Hyundai gera 128 cv (o Ford conta com 130 cv e o Chevrolet, com 120 cv).

PONTO ALTO

O volante pequeno, aliado ao sistema de direção leve e direto.

DIREÇÃO, FREIO E SUSPENSÃO
A direção é rápida, a suspensão é confortável (mas segura) e os freios são eficientes.
HHHH

MOTOR E CÂMBIO
O motor perde força entre as trocas de marchas, quando o giro cai cerca de 2 000 rpm.
HHH

CARROCERIA
Com estilo original e ousado, o 208 é sofisticado e bem construído.
HHHH

VIDA A BORDO
Também há ousadia no design interno, com destaque para o painel de instrumentos e a tela da central multimídia, no console.
HHHH

SEGURANÇA
Vem com duplo airbag, vidros com sistema antiesmagamento, ABS e cintos de três pontos para todos ocupantes.
HHHH

SEU BOLSO
Seu seguro é o mais caro, segundo nosso levantamento.
HH

 

GALERIA DE FOTOS



1º Ford New Fiesta Titanium

O Ford New Fiesta entra renovado neste comparativo porque, além de ter sido reestilizado para a linha 2014, ele passou a ser produzido no Brasil, enquanto o antecessor vinha do México. Seu cartão de visitas é a grade dianteira "à la Aston Martin", que, apesar de ter sido introduzida somente agora, parece ter nascido com ele, de tão bem que ficou. Além da grade, porém, o novo New Fiesta recebeu mudanças no para-choque dianteiro (perdeu os leds de posição e ganhou faróis de neblina) e na traseira, mais precisamente nas lanternas, no aerofólio e no para-choque. Por dentro, mudou o design do console e a cor da iluminação dos instrumentos, de laranja para azul.

A parte mecânica também evoluiu. O motor ganhou comandos de válvulas variáveis e melhorias para redução do atrito (como pistões com saias grafitadas), o que elevou a potência de 115 para 130 cv (com etanol), e sistema de partida a frio. A transmissão passou a ter a opção do câmbio automático (caixa automatizada com dupla embreagem) de seis marchas. O resultado dessas mudanças foi sentido na pista, onde o Fiesta foi o mais rápido e ao mesmo tempo o mais econômico do comparativo.

No que diz respeito aos equipamentos, a nacionalização do modelo permitiu à Ford criar novos conteúdos. A versão anterior era vendida na configuração SE com três pacotes, enquanto a atual tem opções SE e Titanium, com quatro e dois pacotes, respectivamente. Esse, aliás, é outro ponto forte do New Fiesta, que é o único hatch do comparativo a ter sete airbags (são dois frontais, laterais e de teto e um de proteção para os joelhos do motorista), controle de estabilidade, freio assistente de partida em rampas, sistema multimídia Sync e Isofix.

PONTO ALTO

Posição de dirigir esportiva, com bancos que apoiam bem o corpo.

DIREÇÃO, FREIO E SUSPENSÃO
A posição de dirigir esportiva é ajudada pela direção direta. Freia com segurança.
HHHH

MOTOR E CÂMBIO 
Com o motor mais potente do comparativo e o câmbio com seis marchas e dupla embreagem, o New Fiesta surpreendeu na pista de testes.
HHHHH

CARROCERIA
Seu design é mais previsível que o do 208 - mas, ainda assim, moderno. A qualidade de fabricação é boa.
HHHH

VIDA A BORDO
É menos sofisticado que o C3 e o 208, mas tem bom padrão de acabamento e de conteúdo.
HHHH

SEGURANÇA
ABS, ASR, ESP, HLA, Isofix e sete airbags.
HHHHH

SEU BOLSO
Segundo cotação Ford/Mapfre, o seguro do New Fiesta é o mais barato do comparativo.
HHH

 

GALERIA DE FOTOS



VEREDICTO

Com rendimento (desempenho e consumo) e pacote de itens de segurança superiores, o New Fiesta é a melhor opção. O 208 se saiu bem em quase todos aspectos. Mas, assim como o C3, foi ultrapassado na pista. O Sonic, de modo geral, ficou na média do segmento. E o HB20 apresentou conteúdo e acabamento de versão básica.

 

FONTE: Quatro Rodas

 

VEJA TAMBÉM

Piloto bate McLaren alugada em Rally

Fisker perdeu 35 mil dólares por veículo produzido

SP aprova semáforo amarelo piscante na madrugada

Spyker anuncia lançamento do B6 Venator

Webnode

Tópico: Hyundai HB20 x Chevrolet Sonic x Citroën C3 x Peugeot 208 x Ford New Fiesta

comparativo new fiesta

enogueira@sonnervig.com.br 11-05-2014
diferenciais

quero comprovar.

eduardo 16-09-2013
gostaria de fazer um teste em cada um deste. veiculos

Novo comentário

Contatos